Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vi ontem no National Geographic o documentário “The Cave”. Que murro no estômago, que realidade brutal, avassaladora, de fazer revoltar as entranhas. Já aqui escrevi que a guerra na Síria é das realidades que mais me perturba, e este documentário mostra o que por lá se passa. Sem dó nem piedade, vai tudo a eito nem o hospital escapa. 

Só consigo comparar com a brutalidade de Auschwitz, acredito que daqui a uns anos iremos olhar para trás e ver esta guerra como algo semelhante.

Vejam este documentário. Está nomeado aos Óscares deste ano. Ironia, quase gozo até, numa noite de glamour e extravagância e lá não há nada nem sequer comida ou medicamentos. Não há nada, nem hipótese de sobrevivência quanto mais. 

Do realizador nomeado para um Óscar Feras Fayyad (Últimos Homens em Aleppo) vem A Caverna, um retrato de coragem, resiliência e solidariedade entre mulheres. Para os civis sitiados na Síria devastada pela guerra, a esperança e a segurança residem no hospital subterrâneo conhecido como A Caverna, onde a pediatra e médica-chefe, Dra. Amani Ballour, e as suas colegas Samaher e Dra. Alaa reivindicaram o seu direito de trabalhar como iguais ao lado dos seus colegas de profissão, desempenhando as suas funções de uma forma que seria impensável na cultura opressiva e patriarcal que se vive lá em cima. Acompanhando as mulheres enquanto estas lidam com bombardeamentos diários, escassez crónica de suprimentos e a ameaça constante de ataques químicos, A Caverna oferece uma visão inabalável da guerra na Síria e de alguns dos seus heróis mais improváveis.

A incrível história desta heroína num artigo da National Geographic

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:50


4 comentários

Imagem de perfil

De nada acontece por acaso a 11.02.2020 às 23:43

Vê, merece toda a atenção. É forte, uma realidade cruel, mas merece muito ser visto.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


bertrand


Instagram


2021 Reading Challenge

2021 Reading Challenge
Cátia has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide




Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D



Comentários recentes