Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bravo, bravo, bravo!!! E não é por qualquer comemoração ou aniversário. É sim pelo excelente e fora de comum que foi hoje o programa "E se fosse consigo?". Se já é um programa que sigo assiduamente, hoje fiquei vidrada do princípio ao fim.

Quem acompanha estas minha andanças aqui pelo sapoblogs, sabe que tenho uma filha surda e que estamos ambas a aprender Língua Gestual Portuguesa. A surdez faz parte das nossas vidas há quinze anos, com todas as dificuldades e conquistas que isso acarreta. Logo este programa tocou-me em particular por abordar um tema que me é sensível. 

Uma das coisas que reparei desde o início e durante todo o programa, foi que foram muito poucas as pessoas que deixaram mostrar a cara, assim como as que se mostraram minimamente disponíveis para ajudar ou sequer tentar ajudar a pessoa surda. Vergonha talvez? Se não foi, devia. 

Neste programa percebem-se uma série de erros crassos que se cometem vulgarmente quando se fala de surdos ou da comunidade surda: 

  • Surdos-mudos não existem. Os surdos têm cordas vocais e emitem sons, riem, gritam, etc. Os que não falam é porque não aprenderam a oralizar por não ouvirem e são muito poucos. Por sua vez os mudos não são surdos, só não falam. 

  • Linguagem gestual não existe. No nosso País é uma língua (Língua Gestual Portuguesa) e foi reconhecida como tal pela Constituição da República, em 1997 (Diário da República – I Série A – n.º 218 – 20/09/1997 – Lei Constitucional)

  • Cada País tem a sua língua gestual, tal como a língua falada, até a brasileira é diferente da portuguesa.

  • A comunidade ouvinte considera a surdez uma infelicidade. Não é de todo, é apenas uma condicionante na vida dos surdos, tal como que usa óculos, ou uma prótese, ou coisa que o valha.

Também constatei alguns factos que me surpreenderam negativamente, como por exemplo o Instituto Nacional de Reabilitação não ter informações ou dados concretos sobre a comunidade surda, como por exemplo quantos são, onde estão, faixas etárias, se trabalham, etc. E é assim que se deliberam leis e medidas entre outros assuntos sobre os surdos. 

Neste programa deram a conhecer também reais dificuldades que a comunidade surda enfrenta rotineiramente. Uma ida ao hospital, finanças, segurança social, ou qualquer outro serviço público. Como é difícil até o acesso ao ensino. Devia ser obrigatória a formação de profissionais dos serviços em LGP, mesmo que básica, seria o suficiente para comunicar. Já no que respeita à saúde deveria ser um direito ter um intérprete tal como é ter assistentes sociais e coisas que tais. Porque não LGP como língua nas nossas escolas? É tão válida como inglês, francês, espanhol ou outra. 

Os surdos têm de se adaptar à sociedade. Porque não o inverso? Isso acontece com alguns tipos de incapacidade ou deficiências. Colocam-se rampas para incapacidade motora, avisos sonoros para cegos, por exemplo. Infelizmente falta inclusão na sociedade em geral, mas os surdos então são vistos quase como aliens. Os surdos não mordem nem são esquisitos, só fazem muitas caretas e expressões porque isso está associado aos gestos.

Já a educação dos surdos é quase um comédia negra. São obrigados a saber ler nos lábios, embora muitos até o aprendam instintivamente (como aconteceu com a minha filha), são alunos com necessidades especiais educativas, mas os profissionais nesta área são parcos e o número de aulas semanais, quando as há, é mais parca ainda. A educação dos surdos devia ser tão importante como a dos ouvintes. É na e da educação e assenta e depende o futuro de todos os indivíduos. Dela depende o seu percurso e capacidade profissional. Os direitos, tal como os deveres deveriam ser para todos, mas essa é uma realidade longínqua para os surdos.

Pela primeira vez em televisão, no nosso País, houve um debate protagonizado na íntegra por pessoas surdas. Acredito que com este programa as pessoas surdas deste País se tenham sentido ouvidas. 

E para a Sic, não vai nada, nada, nada? Tudo!!! Parabéns pelo "E se fosse consigo?" de hoje pelo tema que abordou.

O programa inteiro pode ser visto aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:06

Fez ontem quinze dias que tive uma aula de LGP terrível. Nunca desde que iniciei o curso, e este já é o segundo ano, uma aula me custou tanto. Senti-me completamente perdida durante praticamente toda a aula, só a custo consegui compreender o vídeo que estávamos a visionar e ainda assim não completamente ainda fiquei com algumas dúvidas que esclarecemos depois na aula seguinte. 

Eu que adoro LGP, que vou sempre entusiasmada para as aulas e passo a semana na expectativa da aula de sábado, fiquei com uma sensação de frustração terrível. Questionei-me o que é que estava ali a fazer, coloquei em causa se aquilo é mesmo para mim, se vale a pena continuar. Fiquei até triste, confesso. Felizmente nas duas aulas seguintes ultrapassei estas questões de tão bem que correram novamente. Fizemos aulas muito mais dinâmicas, mais interactivas e sinto que aprendo muito mais assim. Apreender LGP não é fácil, requer atenção, concentração e temos de gostar mesmo daquela língua. E eu gosto mesmo. Afinal burro velho também aprende línguas, assim haja vontade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

Catorze foi a minha nota de final do primeiro período do curso de Língua Gestual Portuguesa. Foi o catorze mais amargo que já recebi. Se por um lado catorze até nem é mau, por outro achei muito pouco. Estava na expectativa de mais, tenho noção que sei mais, mas o receio do desconhecido e os nervos tramaram-me. Eu tinha obrigação de fazer melhor, já não sou nenhuma garota e não me posso deixar levar assim pelas emoções, a razão tem de estar acima de tudo. A professora desvalorizou, afinal só levamos três meses disto, apontou quais as falhas e o que tenho de melhorar. 

Tenho mesmo é de praticar mais, dar mais de mim, sei que sou capaz. Afinal eu quero mesmo fazer algo a sério quando tiver o curso na mão, nada se faz sem trabalho.

Para contrastar com esta minha nota a Bárbara teve um dezanove que me encheu de orgulho!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:57

Já depois deste post recebi um e-mail da Associação Portuguesa de Surdos com este link que partilho aqui, de um artigo do Público.pt onde se explica "O que todos devíamos saber sobre língua gestual (em dez pontos)". 

Nesse mesmo e-mail davam-me os Parabéns por estar a aprender esta língua maravilhosa. Não pude deixar de me orgulhar de mim mesma por estar nesta empreitada de aprender LGP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:57

LNGUA_~1.JPG

Assinala-se hoje, 15 de Novembro o dia nacional da Língua Gestual Portuguesa. Diz-se língua gestual (de determinado país) e NUNCA linguagem gestual, tal como se diz língua portuguesa e nunca linguagem portuguesa. (E o que me irrita ouvir dizer linguagem em vez de língua gestual portuguesa? Fico desorientada para não dizer furibunda)

Porquê esta data? A Comissão para o reconhecimento e protecção da Língua Gestual Portuguesa e defesa dos direitos das pessoas surdas foi criada em 15 de Novembro de 1995 com o propósito de ver reconhecida a Língua Gestual Portuguesa na Constituição da República Portuguesa, algo que sucedeu em 1997, aquando da sua 4ª revisão.

Em Portugal, a Língua Gestual Portuguesa (LGP), nasceu na primeira escola de surdos, em 1823, na Casa Pia de Lisboa, tendo tido como primeiro educador um sueco que de lá trouxe o alfabeto manual. Apesar de não se notarem semelhanças ao nível do vocabulário, o alfabeto da LGP e o da língua gestual sueca (Svenskt teckenspråk) continuam a revelar a sua origem comum.

A língua gestual é a forma de comunicação utilizada pelas pessoas surdas e por todos aqueles que comunicam com pessoas surdas. É produzida a partir dos movimentos das mãos, do corpo e por expressões faciais, sendo a sua recepção visual.

 

Sempre me fascinou o mundo LGP. Eu que estou a frequentar o Nível I do curso de LGP da Associação Portuguesa de Surdos e que tenho uma filha deficiente auditiva, não posso (nem quero) deixar de lembrar este dia. Não vejo a hora de conseguir falar e entender mais quando vejo alguém falar em LGP. Lá chegarei :)

Infelizmente este dia passou praticamente despercebido nos meios de comunicação e redes sociais. É pena... Mas lá está não é um qualquer dia a apelar ao consumismo desenfreado ou que esteja na moda. É "apenas" o assinalar de um meio de comunicação, que ainda se julga restrito da comunidade surda. Erro crasso. Qualquer um de nós de hoje a amanhã pode sofrer de surdez ou deficiência auditiva. Qualquer um de nós pode precisar de lidar com pessoas surdas, seja em que contexto for. Para além de que a comunidade surda tem um número imenso de pessoas, só quem contacta mais de perto tem mais noção disso. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

Depois da formação de Língua Gestual Portuguesa que fiz há dois anos, com a Bárbara, e que adorei, hoje foi dia de voltar a dar continuidade ao que aprendi. Era uma coisa que queria muito já ter feito, mas não tinha ainda surgido a oportunidade certa. Hoje foi dia de começar o curso de LGP na Associação Portuguesa de Surdos. Gostei tanto! Estava um bocado com os nervos à flor da pele, desta vez era um curso "à séria" ao invés de apenas uma formação. Tinha receio de que fosse completamente diferente da formação, que não me adaptasse à formadora, sei lá, tolices. Afinal superou em tudo as minhas expectativas. E a formadora é incrível, captou a atenção da turma aos primeiros instantes, sem oralizar uma única palavra. É tão castiça, tão engraçada. E o que nos fartámos de aprender em apenas três horas? Impressionante. Não vejo a hora de chegar ao próximo Sábado para a próxima aula. 

Curso LGP.jpg

Pareço uma maluquinha, até parece que tenho muito tempo livre para além dos fins-de-semana, mas a minha vontade de aprender é imensa, quase uma necessidade. Já diz o ditado que "o saber não ocupa lugar".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

Passo a explicar, estava previsto este ano e no seguimento da formação do ano passado, um curso de Língua Gestual Portuguesa com certificação pela APS. Infelizmente o número de inscritos inviabiliza que o curso se concretize. Fico mesmo triste com isto. Bem sei que o meu interesse é com certeza superior ao de outras pessoas devido à surdez da Bárbara, que é sem dúvida motivação só por si. Estava tão entusiasmada com este curso, que para além de ser mais em conta do que na APS, é bem mais perto de casa, logisticamente é muito melhor, só vantagens. Mas não vai acontecer por falta de inscritos. Quem sabe no próximo ano 😔. 

A fraca divulgação se calhar também influenciou, eu bem partilhei no facebook, tal como algumas pessoas, mas não foi o suficiente. 

image.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Mais sobre mim

foto do autor


bertrand

Halloween 2020 | Livros de Arrepiar - MREC

Instagram


2020 Reading Challenge

2020 Reading Challenge
Cátia has read 0 books toward her goal of 14 books.
hide




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Comentários recentes