Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vi esta semana o programa "Vidas Suspensas" na SIC, que aborda um tema muito sensível, a alienação parental. Só do que vi nos primeiros minutos, fiquei chocada com as acusações de que aqueles pais são alvo. A maldade humana não tem limites de facto. Chocam-me brutalmente os casais que no divórcio ou separação não olham a meios para atingir o fim, usando e abusando dos filhos como armas e em jogos emocionais contra os pais. 
Também eu me separei do pai dos meus filhos, num processo que foi tudo menos fácil (acho eu que nunca é...), muito difícil até, mas os miúdos ficaram sempre de fora das nossas desavenças ou conflitos. Já lá vão dez anos e da minha boca os miúdos nunca ouviram ou hão-de ouvir falar mal do pai. São coisas dos adultos, que benefício isso lhes poderá trazer, ou o que é que isso lhes interessa? Não lhes minto, dou a minha opinião ou conselho quando o pai tem atitudes menos correctas (e infelizmente são algumas), da mesma forma que sabem que o pai não ajuda grandemente. Mais pormenores são informação desnecessária. Agora "envenena-los" contra o pai, nunca, e se alturas houve que isso me foi bem difícil. Mais difícil foi saber o que sofreram e ainda sofrem os meus filhos com a nossa separação (por mim sei que isto nunca se esquece e mesmo aos 42 custam muito as lembranças do passado). Fui e sou sempre a primeira a promover o relacionamento entre eles. Nunca em qualquer circunstância privei os meus filhos de estarem com o pai, mesmo que não fosse fim-de-semana do pai ou qualquer outro dia. Só não estão mais vezes com o pai por indisponibilidade ou falta de vontade dele. 
Em determinada altura da minha vida aquele homem foi o que escolhi para pai dos filhos, e esse é um facto até ao fim das nossas vidas. Não consigo entender, nem concebo que seja de outra forma a minha postura em relação a isso. 
Se não viram aconselho que vejam. Para ver e reflectir. Numa separação não são só os pais que sofrem, aliás as crianças sofrem muito mais e se forem vitimas destas situações então, nem se fala. Pais alienadores deviam mesmo ser punidos pela gravidade dos seus actos.
O programa na integra aqui: "O pai é mau".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31


Mais sobre mim

foto do autor


bertrand


Instagram


2021 Reading Challenge

2021 Reading Challenge
Cátia has read 1 book toward her goal of 12 books.
hide




Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D



Comentários recentes